quinta-feira, 12 de julho de 2012

Textos Publicitários


“[...] Confesso que um dos meus prazeres é
saborear os bons anúncios jornalísticos
de coisas que não pretendo,
não preciso ou não posso comprar,
mas que atraem pela novidade de concepção,
utilizando “macetes” psicológicos sutis
e muito refinamento de arte.
É admirável a criatividade presente nessas obras
de consumo rápido, logo substituídas por outras.
São anúncios que muitas vezes nos prestam serviços,
pela imaginação e pelo bom humor que contêm.
E se nos “vendem” pelo menos um sorriso,
ajudam a construir um dia saudável de trabalho.”

Carlos Drummond de Andrade,
Crônica “Anúncios”
Jornal do Brasil 16.10.71